terça-feira, 26 de setembro de 2017

Desconfio dos poderes dessas MPs



Convidados de audiência defendem MP que altera legislação sobre mineração
Paulo Sérgio Vasco | 26/09/2017, 19h25 - ATUALIZADO EM 26/09/2017, 19h41





Marcos Oliveira/Agência Senado
·         
·         
Proposições legislativas
Convidados de audiência pública defenderam, nesta terça-feira (26), a revisão do Código de Mineração (Decreto-Lei 227/1967) e da legislação em vigor. A audiência foi promovida pela comissão mista que analisa a Medida Provisória (MP) 790/2017, que altera regras para a pesquisa mineral.

Para o representante da Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa Mineral (ABPM), Luís Maurício Azevedo, as alterações feitas pela MP na legislação favorecem o aumento da produtividade, reduzem a carga burocrática e promovem a transparência no trato dos títulos minerários.

- Buscamos aumentar as descobertas, diversificar a fase produtiva e a base empresarial, em um país concentrado nas pequenas commodities. O Brasil ocupa o 69º lugar na questão de atratividade e regulação devido a questões que precisam ser resolvidas – afirmou.

Entre os pontos positivos da MP, Azevedo citou a possibilidade de renúncia parcial do título de mineração, de aproveitamento de substâncias associadas e a alteração do prazo de validade do alvará de pesquisa.

Azevedo, porém, defendeu o aprimoramento de questões relacionadas a licenças ambientais - “não entendemos porque precisamos renovar isso a cada seis meses” – e a aplicação de multas proporcionais ao faturamento da empresa, “e não às circunstâncias”.

Na avaliação do representante do Ministério de Minas e Energia, Vicente Humberto Lobo da Cruz, não existe vida moderna sem o bem mineral. Ele ressaltou que a mineração representa 20% da balança comercial brasileira e 4% do produto interno bruto (PIB).

Vicente Humberto Lobo da Cruz defendeu o comprometimento socioambiental do setor de mineração, afirmando que é preciso mudar a imagem no Brasil de que mineração é garimpo ilegal.

- É preciso trazer de volta o ambiente regulatório de segurança jurídica comprometido com o futuro, favorecendo o retorno do capital que será investido na geração de emprego – afirmou.

Representante do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) Victor Hugo Bicca apontou defasagem do Código de Mineração, de 1967, o qual passou por uma única atualização, em 1996.

- O modelo esgotou, é preciso avançar, oxigenar, é preciso novos investimentos. A sociedade está exigindo isso do poder público, e é isso que estamos buscando – afirmou.

O advogado e professor da Universidade de Brasília (UnB) Adriano Drummond Cançado Trindade disse que a MP não só aumenta o prazo de pesquisa, como elimina alguns “buracos”, como o que obrigava o titular a interromper a pesquisa no momento de prorrogação da licença.

Representante do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) Juliana Rocha destacou que a MP deixa clara para o empreendedor a obrigação de recuperação de áreas degradadas.

Relator da MP, o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) disse que o Ibama deveria delegar a concessão de licença ambiental aos estados, e estes aos municípios, como forma de tornar mais ágil a pesquisa no setor mineral.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

domingo, 10 de setembro de 2017

A china com fome



Importações de minério de ferro da China crescem em agosto com alta em preço do aço
Reuters





PEQUIM (Reuters) - As importações chinesas de minério de ferro cresceram em agosto, à medida que os preços em alta do aço aumentaram o apetite por matéria-prima estrangeira.

O país asiático importou 88,66 milhões de toneladas no mês passado, um volume 1,1 por cento maior em relação ao mesmo período de 2016 e 2,8 por cento acima do apurado em julho, informou nesta sexta-feira a Administração Geral Alfandegária da China.

Nos oito primeiros meses deste ano, as importações de minério de ferro da China acumulam alta de quase 7 por cento sobre igual intervalo do ano passado, ao passo que mais siderúrgicas chinesas elevaram a produção para aproveitar as margens melhores em meio à repressão do governo chinês sobre produtos de aço de baixa tecnologia. 

Isso resultou em encomendas maiores por matérias-primas, particularmente minério de ferro de alto grau.

"As importações seguirão elevadas, pois a produção de aço ainda está relativamente forte, e os cortes na produção chinesa de inverno não devem ocorrer até meados de novembro", disse Helen Lau, analista da Agronauts Securities, em Hong Kong.

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Lucro da VALE, na balança!



Lucro da Vale cai 98,3% e Bradesco lucra R$ 3,91 bi; mais 5 balanços, Petrobras e outras notícias no radar
Confira os destaques do noticiário corporativo desta quinta-feira (27) 
Leia também:







SÃO PAULO - Na manhã desta quinta-feira, grandes empresas divulgaram balanços do segundo trimestre de 2017, com destaque para a Vale, Ambev e Bradesco. Além disso, nesta quinta, IRB e Omega precificam suas ações em IPO. Confira  outras notícias corporativas:

Vale (VALE3;VALE5)

A Vale reportou seus números do segundo trimestre de 2017 na manhã desta quinta-feira (27), registrando uma queda de 98,3% no seu lucro, que passou de R$ 3,585 bilhões no segundo trimestre de 2017 para R$ 60 milhões no segundo trimestre deste ano. O resultado foi impactado pela desvalorização do real e seu efeito sobre a dívida, informou a companhia.

https://t.dynad.net/pc/?dc=5550003220;ord=1501168154093O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado totalizou R$ 8,834 bilhões, alta de 7,4% na comparação com os R$  8,228 bilhões registrados um ano antes, mas com baixa de 34,7% na comparação com os primeiros três meses deste ano, quando somou R$ 13,523 bilhões. 

A receita líquida no trimestre foi de R$ 23,363 bilhões, 8,3% acima dos R$ 21,576 bilhões na base de comparação anual, mas 12,6% se comparado ao primeiro trimestre de 2017, quando totalizou R$ 26,742 bilhões.

Já a dívida líquida teve queda de 2,87%, passando de US$ 22,777 bilhões no fechamento do primeiro trimestre para US$ 22,122 bilhões no fechamento de junho.

Os investimentos da Vale no segundo trimestre somaram US$ 894 milhões, o menor para um trimestre desde o terceiro trimestre de 2006 e uma queda de US$ 219 milhões frente ao trimestre anterior, quando investiu US$ 1,113 bilhão. O segmento de Minerais Ferrosos representou cerca de 95% do total investido na execução de projetos no período.

Segundo Luciano Siani, diretor financeiro da companhia, a empresa poderá diminuir investimentos em capex com novos projetos. “Com reduções adicionais, nos investimentos de S11D e em outros grandes projetos de manutenção como o projeto de redução de emissões de níquel - AER em Sudbury, podemos ter o objetivo de reduzir mais o Capex em 2018”, afirmou, em referência ao projeto de níquel da mineradora no Canadá, além do S11D no Pará. 

Segundo o Itaú BBA, os resultados foram neutros. A receita líquida atingiu US$ 7,2 bilhões, 4% acima da previsão do Itaú BBA, mas com queda de 15% em uma comparação trimestral, impactados negativamente pelos preços mais baixos do minério de ferro e apesar de volumes sazonalmente mais fortes.  O Ebitda do minério de ferro por tonelada diminuiu com preços mais baixos e maiores custos, mas ainda está em níveis saudáveis, afirma o banco. A maior contribuição do carvão (maiores preços e volumes) compensou os resultados mais baixos de metais básicos (preços menores de níquel e cobre). O analista aponta que a Vale espera uma redução nos custos à luz de maiores ganhos de produção e produtividade. De acordo com o BTG, a primeira leitura do balanço da Vale também é de um balanço em linha, com destaque para a boa geração de fluxo de caixa livre, mas boa parte vindo de ganho de capital de giro.  

Ontem, a mineradora ainda anunciou Alexandre Pereira para o cargo de diretor executivo de Suporte aos Negócios, posição que engloba as áreas de Tecnologia da Informação, Suprimentos, Energia, Melhorias Operacionais e Projetos de Capital. Pereira ocupava o cargo de diretor global de Tecnologia da Informação da mineradora desde 2011, informou a Vale. O executivo começou a carreira na própria Vale, em 1992, e já passou por outros cargos de direção na mineradora.

Bradesco (BBDC4)

 O Bradesco teve lucro líquido de R$ 3,911 bilhões no segundo trimestre, queda de 3,9% na base trimestral e de 5,4% ante mesma etapa do ano passado. Já em termos ajustados, o lucro foi de R$ 4,704 bilhões, avanço sequencial de 1,2% e de 13% na comparação ano a ano, resultado favorecido pelo controle nas despesas administrativas e nas provisões para perdas com inadimplência.

A despesa com PDD (provisão para devedores duvidosos) foi de R$ 4,970 bilhões, baixa de 1,1% ante o segundo trimestre de 2016. Já a inadimplência acima de 90 dias foi de 4,9%, baixa de 0,7 ponto percentual ante 5,6% no primeiro trimestre, mas alta de 0,3 ponto percentual ante os 4,6% registrados no segundo trimestre de 2016. 

A carteira de crédito expandido totalizou R$ 493,6 bilhões no fim de junho, 1,8% menor em três meses e alta de 10,3% na comparação com o mesmo período do ano passado. O retorno sobre patrimônio líquido médio foi de 18,2% no segundo trimestre.
O total de ativos no trimestre foi de R$ 1,291 trilhão, ante R$ 1,294 trilhão no primeiro trimestre e R$ 1,105 trilhão no segundo trimestre de 2016. A alta anual deve-se, em parte, à consolidação do HSBC a partir de julho do ano passado. A margem financeira de juros atingiu R$ 31,678 bilhões no primeiro semestre de 2017, apresentando crescimento de 7,3% em relação a um ano antes.

O banco alterou a maior parte de suas estimativas para 2017, incluindo uma revisão para a carteira de crédito de expansão para contração. A instituição cortou ainda previsão de margem financeira de juros e as projeções de receitas com prestação de serviços ainda que tenha melhorado as estimativas para despesas operacionais e as provisões para despesas com créditos de liquidação duvidosa, de acordo com o balanço.

 O banco agora espera que sua carteira de crédito "pró-forma" tenha contração de 1% a 5%, ante previsão anterior de crescimento de 1% a 5%. Já a comparação "Pro-forma" inclui todos os números do HSBC para o período anterior, como forma de melhorar as comparações. No balanço, banco vê cenário de "recuperação bastante gradual e não linear da economia", segundo o balanço. 

A margem financeira de juros "pro-forma" deverá ter contração de 1% a 5%, ante estimativa anterior entre -4% e estabilidade. O crescimento da receita com prestação de serviços foi projetada para 2% a 6%, de um crescimento prévio esperado de 7% a 11%. Do lado das despesas operacionais, que incluem despesas administrativas e de pessoal, banco prevê queda entre 4% e estabilidade, de uma estimativa entre queda de 1% a crescimento de 3%. A provisão para créditos de liquidação duvidosa, líquida de recuperações, foi revista para R$ 18 bilhões a R$ 21 bilhões, de uma estimativa anterior de R$ 21 bilhões a R$ 24 bilhões. A estimativa de crescimento dos prêmios de seguro manteve-se entre 4% e 8%.

Segundo o BTG Pactual, os números foram positivos, com melhora da qualidade de ativos, permitindo que o Bradesco melhorasse o seu guidance para PDD. Assim, a revisão do guidance adiciona "riscos de alta" para o banco. O Itaú BBA também dá destaque para a melhor qualidade dos ativos, mantendo o banco como top pick do setor na América Latina. 

Ambev (ABEV3)

A Ambev viu seu lucro líquido cair 2,2% no segundo trimestre de 2017 na base de comparação anual, para R$ 2,125 bilhões. Já o lucro líquido atribuído aos sócios da empresa controladora, base para a distribuição de dividendos, caiu 1,6%, para R$ 2,013 bilhões.  O Ebitda registrou baixa de 6,2%, a R$ 3,943 bilhões.

A receita líquida do segundo trimestre de 2017 somou R$ 10,267 bilhões, em queda de 1,0% ante os R$ 10,377 bilhões no segundo trimestre de 2016.

As despesas operacionais foram de R$ 3,175 bilhões, praticamente estável em relação às despesas de R$ 3,183 bilhões registrados no mesmo período de 2016.

A Ambev afirmou segue "cautelosamente otimista para o segundo semestre", dado que a economia brasileira se recupera em ritmo lento, o que representa um desafio para a indústria de cerveja no curto prazo.

De acordo com o Itaú BBA, do lado positivo, o Ebitda veio 3,6% acima das estimativas do banco e 2,6% acima do consenso. Além disso, há notícias boas vindo do maior controle de despesas. O desempenho na América Latina, excluindo o Brasil, foi uma surpresa positiva, enquanto o desempenho nacional ainda decepciona, apontam os analistas. 

O Bradesco BBI aponta que o resultado foi fraco, como esperado. "No entanto, acreditamos que este trimestre tenha ficado para trás e a empresa tem capacidade de entregar melhores números nos próximos períodos. Apesar do atual valuation, as ações da Ambev ainda oferece um potencial retorno interessante, indicadas especialmente para investidores que buscam ativos mais defensivos: (i) resiliência de ganhos; (ii) boa política de dividendos, e (iii) direcionadores positivos de crescimento nos próximos três anos", afirmam os analistas.

Natura (NATU3)

A Natura viu seu lucro subir 79,8% no segundo trimestre ante igual período do ano passado, atingindo R$ 163,5 milhões. Segundo a companhia, esta evolução está relacionada à menor despesa financeira. Desconsiderados os custos relacionados à aquisição da Body Shop, o lucro seria de R$ 139,1 milhões, contra ganho líquido de R$ 90,9 milhões um ano antes.

Já a receita líquida ficou em R$ 2,025 bilhões entre abril e junho, ficando estável em um ano, enquanto o número de unidades vendidas caiu 12,6% no Brasil no segundo trimestre.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês) fechou o período em R$ 298,6 milhões, uma queda de 13,4% em um ano. A margem Ebitda caiu de 17% para 14,7% no mesmo período.

Após o resultado, a Natura teve a recomendação elevada de underperform para market perform pelo Itaú BBA. O melhor lucro líquido ajustado na comparação anual e gastos menores com operações financeiras compensaram resultados fracos, disseram os analistas do banco em relatório. 

Klabin (KLBN11)

A Klabin registrou um prejuízo líquido de R$ 378 milhões no segundo trimestre, revertendo o lucro líquido de R$ 1,27 bilhão registrado no mesmo período do ano passado. Já a receita líquida foi de R$ 1,98 bilhão, alta de 17% na base de comparação anual, mas frustrando as estimativas de mercado, segundo compilação da Bloomberg, que apontava para receita de R$ 2,02 bilhões. 

O Ebitda ajustado foi de R$ 595 milhões, alta de 11% na base de comparação anual, enquanto a margem Ebitda ajustada caiu 1 ponto percentual, passando de 31% para 30%. 

Já o volume vendido de celulose no trimestre foi de 337 mil toneladas, aumento de 12% em relação ao trimestre anterior. Impulsionado pelo volume de vendas de celulose, o total de vendas atingiu 777 mil toneladas no período, crescimento de 23% na base anual, destacou a companhia. 

OdontoPrev (ODPV3)

A OdontoPrev encerrou o segundo trimestre com lucro líquido de R$ 252,46 milhões, ante lucro de R$ 43,97 milhões um ano antes. Este resultado considera a reversão das provisões de R$ 45,55 milhões relativas ao INSS Bradesco Dental, com ingresso caixa dos depósitos judiciais ocorrendo no terceiro trimestre. Desconsiderando este efeito, a companhia registrou lucro líquido de R$ 51,63 milhões.

Já a receita líquida da companhia fechou entre abril e junho em R$ 354,29 milhões, ante R$ 338,77 milhões no segundo trimestre de 2016. A companhia destacou os segmentos massificados, com PME expandindo 17,1% e planos individuais acelerando 20,6%. O tíquete médio, 6,4% superior ao mesmo período do ano anterior, subiu em todos os segmentos de negócio.

Além disso, o conselho da companhia aprovou a distribuição de R$ 100 milhões em dividendos intercalares. O valor corresponde a R$ 0,188367425 por ação.

Farão jus aos dividendos os detentores de ações da companhia em 31 de julho, com os papéis sendo negociados na forma "ex" a partir de 1 de agosto, com o pagamento ocorrendo em 5 de setembro deste ano.

O Ebitda e lucro líquido da Odontoprev ficaram 10% e 11%, respectivamente, acima das expectativas do Santander, o que pode

representar uma reação positiva no curto prazo, dizem analistas
do banco em relatório. Já o índice de sinistralidade em 46,4% foi o destaque do trimestre, apontaram os analistas do Itaú BBA em relatório, vindo 2,4 pp abaixo do esperado pelo banco. 

Energias do Brasil (ENBR3)

A EDP Energias do Brasil somou um lucro líquido de R$ 142 milhões no segundo trimestre, 45,1% superioro ao mesmo período de 2016.

Já o Ebitda totalizou R$ 533,55 milhões no período, 13,7% acima do segundo trimestre de 2016. 

Petrobras (PETR3; PETR4)

A Petrobras aprovou a emissão de até R$ 5 bilhões em debêntures simples em até quatro séries com esforços restritos de distribuição. Pelo menos R$ 800 milhões deverão ser alocados na primeira e/ou segunda séries, que serão de debêntures incentivadas, enquanto R$ 3,2 bilhões deverão ser alocados na terceira e/ou quarta séries.

As debêntures incentivadas comporão duas séries enquadradas, pelo Ministério de Minas e Energia, como prioritárias para o projeto de investimento na área de infraestrutura de petróleo e gás natural.

Em outro comunicado, a estatal informou que pagará R$ 4,3 bilhões em programa regularização tributária. O conselho de administração da companhia aprovou a inclusão da empresa no PERT (Programa Especial de Regularização Tributária) para despesas relacionadas à repactuação do plano Petros.

O valor total será dividido, sendo R$ 1,3 bilhão à vista e em espécie, e o restante, que totaliza R$ 3 bilhões, será parcelado em 145 pagamentos mensais e sucessivos, vencíveis a partir de janeiro de 2018, disse a empresa. O valor parcelado considera reduções de 80% dos juros de mora, 40% da multa de ofício e 25% dos encargos legais.

Todos os valores sofrerão atualização pela taxa Selic e a adesão ao PERT representa uma economia de 34% do valor do débito, em termos nominais. O impacto negativo líquido no resultado do 2º trimestre de 2017, por sua vez, será de aproximadamente R$ 6 bilhões. 

Light (LIGT3)

Depois do forte desempenho da Light em 25% sobre o Ibovespa, o Bradesco BBI reduziu a recomendação para as ações da companhia para neutro, reduzindo o preço-alvo de R$ 29,00 para R$ 25,00.

Além do valuation, os analistas destacam 1) um cenário mais cauteloso para a venda da Light, com probabilidade 50%-50% de: (a) venda ainda esse ano com distribuidora a 1.2 vez EV/RAB (EV = enterprise value, ou "valor de mercado + dívida líquida"; RAB = base de ativos regulatórios) e (b) atraso da venda, com a distribuidora a 0.75 vez EV/RAB; e (2) com a visão de que a companhia tem um desafio operacional significativo pela frente.

A equipe de análise questiona o real apetite dos potenciais compradores, ENEL, Energisa e Equatorial, sendo que os três mencionados tem capex relevante já comprometido nos próximos anos e cenário de fusões e aquisições pode ficar mais aquecido (com a potencial privatização de distribuidoras em vários estados pós eleições de 2018).

QGEP (QGEP3)

A QGEP teve a recomendação reduzida de equalweight (exposição em linha com a média do mercado) para underweight (exposição abaixo da média do mercado) pelo Morgan Stanley. O preço-alvo foi elevado de R$ 6,00 para R$ 7,30. 

Embraer (EMBR3)

A Aerocentury aprovou aumento de crédito de US$ 150 milhões para US$ 170 milhões e anunciou a finalização da compra de três jatos Embraer 175 como arrendamento para uma transportadora norteamericana.,.


Essa compra recente somada à aquisição, no início do ano, do Embraer 145, resulta em um total de seis jatos da Embraer no portfólio da companhia, disse o CEO da Aerocentury, Michael G. Magnusson. "Com mais de 1.100 jatos da Embraer operando pelo mundo, a demanda e a versatilidade fazem com que a Embraer seja incontestável", disse ele.

Eneva (ENEV3)

A Eneva informou que a oferta de ações é uma das possibilidades em estudo. A companhia afirmou, em comunicado ao mercado, que avalia constantemente alternativas de captação de recursos para fortalecer sua estrutura de capital e financeira e financiar seus investimentos.

As alternativas incluem potencialmente a captação de recursos por meio de operação de mercado de capitais, disse. Apesar de a companhia estar em tratativas com seus assessores, até esta data não há aprovação societária ou mesmo garantia de que uma oferta pública irá ocorrer ou seria viável, a depender das condições dos mercados de capitais nacional e internacional, destacou. Ontem de manhã, o Valor Econômico informou que o relançamento da Eneva na bolsa pode movimentar R$ 1,5 bilhão. 
(Com Bloomberg e Agência Estado)